sexta-feira, 18 de maio de 2018

Excercito sionista se diverte: enquanto massacra e mata palestinos, postam seus vídeos na rede


O comportamento imoral foi detectado nos soldados de ambos os sexos.

Em meio às sangrentas represálias do Estado Judeu contra os manifestantes palestinos na fronteira com Gaza nesta segunda-feira, a RT detectou uma atividade imoral de um grupo de soldados israelenses nas redes sociais.
Em uma série de imagens e vídeos postados na net os militares não pareciam preocupado com os protestos dos palestinos e com os crimes que cometiam que levaram a morte dezenas de pessoas, entre os dias 14 e 15 de maio, além dos mais das mais de três mil pessoas feridas, se divertiam com o vandalismo e piadas.
Durante os confrontos violentos causados ​​pela abertura da nova embaixada dos EUA. Jerusalém, 62 palestinos foram assassinados pelo exército sionista, incluindo oito crianças.
Fonte: RT Actualidad

terça-feira, 15 de maio de 2018

70 anos depois da Nakba, Israel é a maior entidade terrorista do mundo

 
ATO DE SOLIDARIEDADE À LUTA DO POVO PALESTINO CONTRA A OCUPAÇÃO SIONISTA E A POLÍTICA DE LIMPEZA ÉTNICA FASCISTA NOS TERRITÓRIOS : 
HOJE, DIA 15 DE MAIO DE 2018  , 17 HORAS NA CINELÂNDIA
 
 Por Pablo Jofré Leal
Neste quartel do século XXI, assistimos, a nível internacional, à consolidação da impunidade como conduta, em termos de cumprimento do direito internacional por uma das entidades mais terroristas, que deu à história da humanidade: a Regime sionista israelense.
De fato, 70 anos depois da Nakba (catástrofe em árabe) aos 51 anos da Guerra de Junho de 1967, pouco mais de um quarto de século atrás da fraude dos Acordos de Oslo e dos 12 anos do bloqueio criminoso contra a Faixa de Gaza, Israel provou ser uma máquina criminosa. Um vizinho hostil, um regime predatório, que não deixará a Palestina histórica, exceto pela força da razão e ação da Palestina e seu povo. Como também daqueles que acreditam na justiça, por isso, se ela é exercida com todas as formas de luta contra o terrorismo institucionalizado a partir da criação da entidade sionista.
Terror desde suas origens
Um regime decorrente de determinações arbitrárias e com todo o peso da consciência de uma comunidade internacional que desejava, através da partição da Palestina - através da Resolução nº 181 de novembro de 1947 - e da cessão do que não lhe pertencia, tentar para apaziguar sua responsabilidade diante dos crimes do Nacional Socialismo, mas em cuja dívida o povo palestino foi o único a pagar as conseqüências, sem ter nenhuma arte ou parte e com um sionismo que passou de ser considerado parte de uma cidade vítima para se tornar uma sociedade vitimadora.
A 70 anos da Nakba foi estabelecido que Israel não deixará de ocupar os territórios usurpados da Cisjordânia, continuam a violar todas e cada uma das resoluções emanadas dessas organizações diversas como as Nações Unidas, o Conselho de Segurança, a Assembleia General, Unesco ou qualquer outro que tenha exigido que Israel cesse sua polícia criminal contra o povo palestino. Um Israel que permanecerá enredado em sua política colonialista, racista e criminosa e que nos permite, com justa razão, parafrasear suas ações, definindo-o como um regime nacionalista.
Como não definir Israel como um regime terrorista, uma imitação sinistra do regime nazista, se cada uma de suas ações como refletido desde seus primeiros chegadas à Palestina no final do século XIX? Testando a música: protege seu processo de colonização antes de 1948 com as ações de bandos armados como o Hagana. Este movimento iria realizar ações armadas contra o povo palestino e mais tarde com apoio britânico, resolver uma força de ataque composta por 50.000 milicianos materializar o nascimento da entidade sionista em Maio de 1948, participando ativamente da expulsão de centenas de milhares dos palestinos de suas terras ancestrais.
A cisão da Haganah, Irgun chamada banda, fundada pelo ucraniano sionista Zeev Jebotinsky  , se tornaria uma das organizações mais violentas em terras palestinas, matando duas pessoas e autoridades locais e soldados britânicos. Este grupo Irgun, um outro movimento terrorista, chamado Stern Gang, também conhecido como Lehi, fundada por Polish sionista Abraham Stern, que foi morto a tiros enquanto se escondendo de seus captores se separou em um armário. Stern foi substituído por quem seria o primeiro-ministro de Israel, o bielorrusso Yitzak Shamir. Todas essas organizações, sem qualquer restrição moral e sem recriminar as formas de luta empregadas, usavam o terrorismo diariamente. Eles foram a base, o DNA terrorista do atual exército terrorista de ocupação israelense.  
A combinação deste grupo, com apoio britânico em aconselhamento, homens e armas permitem que em 14 de Maio de 1948, numa ação concertada entre o sionismo liderada pelo líder do polonês naturalizado David Ben Gurion e as autoridades britânicas - Eles concluíram seu mandato naquele mesmo dia - proclamaram o nascimento de uma entidade que surgirá contra os direitos da população palestina e com sua clara rejeição. Os países árabes vizinhos, como era lógico esperar, foram à guerra contra as forças israelenses.
A entidade que tenha surgido após o seu sinal proclamação como evidência de que a ação, direitos espúrios mitológicas, bem como aqueles que aparentemente legal, derivados da Declaração Balfour e até mesmo de vítima e crises de consciência que surgiram após o fim da II Guerra Mundial. Em 14 de maio de 1948, foi também o tiro inicial para um processo de limpeza étnica, que continua até hoje: La Nakba.
A Nakba catalisada pela ação do terrorismo sionista, cheio de fúria assassina e envolveu a expulsão de suas terras ancestrais 700 mil palestinos por forças israelenses, que aplicou as políticas aprendidas das hordas nazistas e que a partir dessa data Eles começaram a destruir casas, plantações, demolir edifícios, queimar, matar qualquer um que cruzasse seu caminho. Foi a expressão brutal, mas eficiente, dos aprendizes das técnicas do Terceiro Reich. Alunos exemplares, que mataram a sede homicida com um povo pacífico , cujo pecado grande foi não ter impedido muito duro desde o início, a presença colonialista de judeus sionistas europeus que começavam a chegar em massa com desejos ambiciosos pelas terras palestinas.
Marcos do terrorismo sionismo
El 14 de mayo del año 1948 marca el punto de partida, no sólo de un año trágico, sino también una etapa histórica, donde el crimen, la colonización, ocupación y destrucción, han sido conceptos que se han hecho carne en la vida de millones de palestinos. La Nakba representa una tragedia, para los árabes en general y el pueblo palestino en particular, pues consigna el inicio de la usurpación de las tierras palestinas, la expulsión de miles de familias de sus casas, de sus aldeas, de sus pueblos, de sus arraigos, donde millones de ellos aún malviven en el transtierro. La Nakba significó el descalabro demográfico, moral  y territorial,  el inicio de un proceso basado en el terror, el racismo, el asesinato, la desarabización y consiguiente judaización de la Palestina Histórica.
Uma política de expansão sionista, que tem como outro de seus marcos o desenvolvimento do programa nuclear israelense dos anos 50 do século XX sob o apoio francês e o silêncio americano e britânico. Tal programa permitiu que ele contasse hoje, com pelo menos 300 dispositivos nucleares. Outra marca importante foi a participação na Guerra do Canal de Suez contra o Egito, juntamente com Londres e Paris, onde Israel, sob a operação terrorista Susannahe cumprindo o papel de executor, realizou uma série de atos de sabotagem em solo egípcio. Este, por agentes sionistas unidade 131, para beneficiar os britânicos a partir de US tenta aproveitar a vital e estratégico Canal de Suez, cuja nacionalização foi decidido pelo líder egípcio Gamal Abdel Nasser em julho de 1956.
A estratégia geopolítica de estender em território israelense à custa de seus vizinhos e, especialmente, a Palestina, que se consolidou em 1967 com a ocupação militar de novos territórios no Oriente Médio em geral -high Golan, a Península do Sinai e na Palestina em particular com a ocupação da Faixa de Gaza e do Oriente Al-Quds, pelas forças de ocupação israelenses. Forças de conquista, que permanecem lá, com exceção do Sinai, retornaram ao Egito e são estabelecidas sob várias formas de dominação. Na Cisjordânia sob o controle territorial de grande parte dos 5860 quilômetros quadrados da construção de assentamentos na Cisjordânia habitada por 650 mil colonos judeus sionistas.
Consignemos el caso de la Franja de Gaza con un bloqueo cruel, inhumano, criminal, que impide un mínimo desarrollo de lo que es el campo de concentración más grande del mundo. Un territorio asediado, que en las últimas semanas ha tenido que sufrir el ataque bárbaro contra su población movilizada en aras del derecho al retorno, una población que ha servido de tiro al blanco, para que cientos de francotiradores gocen en la ignominia de su acción criminal.
Tudo descrito viola todas e cada uma das resoluções das Nações Unidas que exigem a retirada israelense dos territórios ocupados. O fim da construção de assentamentos, para instalar o mais violento do sionismo, nas terras sob invasão militar. A demolição do muro da vergonha, a cessação da demolição das casas, o retorno dos refugiados, o fim dos assassinatos da população indefesa, entre outras demandas. Mas ... um Israel cego, surdo, mas não mudo, permanece imperturbável, vendendo a imagem de ser "a maior democracia do Oriente Médio". Outra parte da estratégia hasbara, que encoraja as mentiras e fantasias do sionismo e tenta disfarçar sua essência assassina.
Toda palavra escrita contra a ocupação israelense da Palestina é aguçada quando apenas a raiva e a indignação com os abusos cometidos pelo sionismo estão presentes. Quando a necessidade e como é vital para comemorar a Nakba, que também representa conceitual e, especificamente, uma catástrofe, nos leva para baixo o caminho da luta do povo palestino para suas justas reivindicações para a direita aparece debandada cada 14 de maio para o retorno, para conseguir a expulsão do invasor. 
Em um trabalho publicado em 2017, ele afirmou que "A história de violações da entidade sionista contra o povo palestino continua seu curso na Faixa de Gaza, na Cisjordânia e no Al-Quds. Isso, em uma estrutura regional onde o respeito pelos direitos humanos do povo palestino permaneceu, curiosamente em segundo plano, contra outra série de eventos. De fato, a ocupação da Palestina e a violação dos direitos de seu povo têm a intenção de se tornar invisíveis, seja invocando a guerra de agressão contra o povo sírio e o Iêmen, o suposto perigo representado pelo Irã e seu programa nuclear apesar da guerra. assinatura do Plano Global de Ação Conjunta com o Grupo 5 + 1 em julho de 2015 e o suposto combate ocidental contra as bandas terroristas Takfiri.
Cada um destes conflitos tem sido explorado pelo sionismo e seus aliados ocidentais, especialmente a França eo Reino Unido, especialmente num momento em que os olhos dessas potências europeias estão focados em seus próprios medos contra takfirismo, seus problemas econômicos e esse pesadelo significa para a Europa opulento, tendo suas portas para centenas de milhares de refugiados, que são vistas como um flagelo que deve ser controlada, embora grande parte dos refugiados do mundo estão lotados na Turquia, Irã, Jordânia, Líbano , Paquistão e apenas a Alemanha está entre os dez países, que recebeu o maior número de refugiados desde 2011 até hoje.
É neste contexto, onde a intenção é abandonar a Palestina e seu sonho de autodeterminação. Isso torna imperativo levantar a defesa dos direitos humanos da população palestina em seus territórios ocupados e naqueles refugiados. Na composição política regional e internacional, Israel intensifica a violação dos direitos humanos da população palestina na Cisjordânia e na Faixa de Gaza viola, mata moribunda tiro direito internacional na cabeça, contamina o Mesquita de Ibrahim em Al- Jalil, impede a entrada de peregrinos ao Monte do Templo em Al-Quds, pare de crianças e jovens, confiscando terras, demolição de casas, expulsando famílias inteiras. Mata manifestantes na Faixa de Gaza. Usurps, rouba, mata, estupra e continua a considerar que ele age sob um mandato divino.
Estamos na presença de um regime em que o delírio, a perversão, o caráter criminoso de uma sociedade devem ser punidos. É evidente que, sob o que foi descrito, a ideia dos dois Estados é simplesmente uma farsa. A judaização de Al-Quds, a parede, os assentamentos, os crimes diários, expressa uma política de limpeza étnica, a consolidação de uma política baseada no terror levando à entidade sionista a considerá-lo como um dos regimes mais criminoso tem tinha a humanidade.
É neste plano que a cada 14 de maio devemos ser encorajados a trabalhar ainda mais para alcançar a libertação da Palestina. Não é o suficiente para chorar. As palavras acesas, o discurso comemorativo deve ser acompanhado, claramente, pela decisão de lutar contra o invasor, para expulsá-lo para além do Mediterrâneo, para fazê-lo sucumbir sob a luta justa do povo palestino e aqueles que a defendem e admiram. Ou seja, mais um dos objetivos que cada 14 de maio nos incentiva a lembrar o Nakba, que não é mais uma ação que remonta a atravessar o coração.
 https://www.hispantv.com/noticias/opinion/377143/palestinos-israel-terrorista-nakba-jerusalen

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Israel massacra o povo palestino nos 70 anos de ocupação militar da Palestina!

 
 Os Estados Unidos transferiram sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém na segunda-feira, em meio a protestos registrados em toda a Faixa de Gaza durante a chamada "Grande Marcha de Retorno".
 Manifestantes palestinos protestam contra as forças israelenses na fronteira da Faixa de Gaza e dos territórios ocupados, em 14 de maio de 2018.
Wasel Abu Yusef, um membro do comitê executivo da OLP, chamado na segunda-feira os palestinos a fazer uma "greve geral" na Cisjordânia e ocupada Faixa de Gaza para "lamentar a martírio" de vítimas palestinas da repressão violenta de Forças israelenses em Gaza.  
Em um dia sangrento, as forças de guerra em Israel mataram segunda-feira dezenas de palestinos e feriu milhares  durante as manifestações em massa contra a abertura da embaixada dos Estados Unidos na cidade palestina de Al-Quds (Jerusalém).
Segundo dados oficiais, mais de 106 palestinos foram mortos até agora pelo disparo das forças israelenses desde o início das marchas, em 30 de março, por ocasião do Dia da Terra na Palestina. Desde então, quase dez mil pessoas ficaram feridas.
  https://www.hispantv.com/noticias

 Israel perpetra "um genocídio" em Gaza

Os palestinos carregam o corpo de um jovem ferido por tiros israelenses na fronteira de Gaza e nos territórios ocupados, em 14 de maio de 2018.

O Governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP) acusou o governo de Israel de cometer "um massacre horrível" no território de Gaza, onde dezenas de palestinos foram mortos pelo fogo das forças israelenses em protestos na fronteira entre Gaza e os territórios ocupados.
O porta-voz do governo palestino, Yusuf al-Mahmud, exigiu nesta segunda-feira através de uma declaração "uma intervenção internacional imediata para impedir o massacre horrível em Gaza, cometido pelas forças da ocupação israelense".
Em um dia sangrento, as forças de guerra de Israel mataram dezenas de palestinos hoje e feriram milhares no vale da fronteira de Gaza, em meio às marchas maciças contra a abertura da embaixada dos EUA na cidade palestina de Al-Quds (Jerusalém).
Da mesma forma, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), liderada por Mahmoud Abbas, denunciou os Estados Unidos, com a transferência da embaixada para Al-Quds, apoia e legitima políticas israelenses ilegais e suas medidas, que prejudicam os direitos fundamentais dos palestinos e evidenciam as graves violações do direito internacional.
 
O Ministério da Saúde de Gaza informou que cerca de 12 repórteres ficaram feridos durante os protestos, disseram as fontes.
Na opinião do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, Washington perdeu seu poder de mediar no Oriente Médio ao tomar a decisão de mudar sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Al-Quds. Enquanto isso, o Egito condena o assassinato de palestinos pelo regime israelense.
Também o embaixador da Palestina na Espanha, Musa Amer Odeh, acusou os EUA. para manter políticas destrutivas na região e enfatizou que a decisão de Washington de reconhecer o Al-Quds como capital e movimentar sua embaixada "põe em perigo a estabilidade, a paz e a segurança no mundo".
 https://www.hispantv.com/noticias

Crianças são  alvos militares do Exército sionista!

Mohammed Ayoub, um menino de 15 anos, foi morto em Gaza por um tiro na cabeça lançado por forças israelenses muito próximas à fronteira. Com ele, dezenas de pessoas foram mortas, quatro delas menores de idade, enquanto participavam dos protestos pacíficos exigindo da Faixa de Gaza o direito de retorno dos refugiados da Palestina.

É intolerável, todos os mortos são vítimas de uma repressão violenta e injustificada. Não podemos permitir que milhares de manifestantes pacíficos continuem a receber tiros injustificados, não podemos permitir que crianças inocentes morram desta maneira. As crianças devem ser protegidas da violência, não expostas a ela. As crianças não podem ser um objetivo militar.

Entre as vítimas, além de um jornalista que cobre as manifestações, quatro crianças já foram mortas. Desde o início dos protestos último 30 de março, além de mortos, milhares de pessoas foram feridas pelo uso injustificado de munição real pelo exército israelense como um meio para dispersar os manifestantes que se aproximavam da fronteira. Mais de cem dos feridos estão em estado grave. Além disso, como consequência do bloqueio de mais de 10 anos, os hospitais da Faixa estão no limite de suas possibilidades de atender a todas as vítimas.

http://www.palestinalibre.org/articulo.php?a=68499 

Irã condena o assassinato de palestinos 'a sangue frio' por Israel

 Um palestino carrega um manifestante ferido durante protestos na Faixa de Gaza, reprimido pelas forças israelenses, 14 de maio de 2018.

 O ministro do Exterior do Irã, Mohammad Javad Zarif, denunciou o massacre 'a sangue frio' dos palestinos pelo regime israelense na Faixa de Gaza, onde a Segunda intensificou a repressão de protestos antes da abertura formal da embaixada Americano em Al-Quds (Jerusalém).

Através de sua conta no Twitter, Zarif criticou a brutalidade das forças israelenses contra os milhares de palestinos que se tornaram manifesto "na maior prisão a céu aberto no mundo", referindo-se à Faixa de Gaza, que vive de 2007 submetido a um bloqueio de ferro pelo regime de Tel Aviv.
"O regime israelense massacra muitos palestinos a sangue frio enquanto eles protestam na maior prisão ao ar livre do mundo. Enquanto isso, (o presidente dos EUA, Donald) Trump celebra a mudança da embaixada ilegal dos EUA, e seus colaboradores árabes tentam desviar a atenção. Um dia de grande vergonha ", twittou o ministro do Exterior iraniano.
Apesar dos protestos internacionais e marchas em massa na Palestina, o governo dos EUA anunciou oficialmente a abertura  segunda-feira sua embaixada controversa no Al-Quds, previamente declarado pelo governo dos EUA, como a capital do regime Israel.
 
Dezenas de palestinos foram mortos e centenas ficaram feridas segunda-feira pela tiros de soldados israelenses na fronteira entre a Faixa de Gaza e na ocupada durante protestos contra a transferência dos territórios palestinos Embaixada dos EUA.

 https://www.hispantv.com/noticias/politica/377062/zarif-masacre-palestinos-israel-gaza-eeuu-jerusalen


sexta-feira, 11 de maio de 2018

PALESTINA EM DEBATE - AN-NAKBA : 70 ANOS DE RESISTÊNCIA CONTRA A OCUPAÇÃO SIONISTA


Em 2018 completam-se 70 anos da criação do Estado de Israel, evento conhecido entre os palestinos como “a tragédia”, “a catástrofe” (an-nakba– النكبة). Em um ano de manifestações e confrontos violentos que já causaram a morte de dezenas de palestinos, o Setor de Estudos Árabes da Faculdade de Letras - UFRJ, convida todos para o evento “An-Nakba: 70 Anos de Resistência Palestina”, a fim de debater e refletir sobre essa data que deixou marcas tão profundas nos palestinos e em todo o Oriente Médio.

 

 

QUARTA-FEIRA  16 DE MAIO

 Programação - Auditório G2

 

  • A PALESTINA EM DEBATE - 9H30

Debatedores confirmados:
Adel Bakkour - Sírio, graduando em Relações Internacionais pela UFRJ, professor de árabe na ONG Abraço Cultural
Maristela dos Santos Pinheiro - Cientista social pela UFRJ e mestre em História pela UFF, coordenadora do Comitê de Solidariedade à Luta do Povo Palestino - RJ
Ramez Maalouf - Doutor em Geografia Humana pela USP e especialista em História das Relações Internacionais pela UERJ

 

  • LITERATURA DE COMBATE - 13H 

A resistência na poesia de Fadwa Tuqan e de Mahmoud Darwish 

Alunos de graduação em Letras: Português - Árabe da UFRJ

 

  • A PALESTINA NO CINEMA: DISCUTINDO O DIREITO DE RETORNO - 14H 

Exibição do filme “O sal desse mar” (2008), de Annemarie Jacir 

Debatedora: Celia Daniele Moreira - Mestre e doutoranda em História pela UFRJ e ex-professora do Setor de Estudos Árabes da Faculdade de Letras - UFRJ 


Comissão Organizadora: Debora Ramalho, Isabela Alves e Letícia Fretheim, alunas de graduação em Letras: Português - Árabe